Exemplo: CSS Dropdown menu sem JavaScript ou hacks
Visualizar Noticia

Federações pedem padronização no valor da licença anual entre os Estados

26/09/2018

As filições para temporada 2019 já estão disponíveis com valor padrão para todos os estados

Os presidentes das federações de motociclismo se reuniram na última sexta-feira (21/09) em Assembleia Geral Ordinária (AGO) em Campo Grande (MS), para debaterem e alinharem melhorias para o esporte em 2019. O espaço de diálogo dado aos presidentes foi bastante proveitosa, no qual decidiram pela padronização no valor da taxa de licença do piloto para o ano seguinte.

Federações se reúnem em Assembleia Geral Ordinária, em Campo Grande. Foto: divulgação

As licenças eram cobradas com valores distintos em cada estado, conforme a administração de cada federação. Agora, o valor de R$ 200,00 (duzentos reais) para renovação e de R$100,00 (cem reais) para primeira licença, passam a ser padrão para todos os estados. Segundo os dirigentes a unificação permite que o piloto saiba que ele pagará o mesmo valor independentemente do estado escolhido para se licenciar, entre outras vantagens.

"Foi um conquisita muito boa para o esporte. Nós já tínhamos tentado fazer, mas no ano passado não conseguimos. Cheguei até votar contra, mas revi a situação e acho que vai ajudar de forma gradativa. Ao invés de aumentar como acontece todos os anos, conseguimos agora reduzir o valor com a união das federações. Isto ajuda tanto pilotos novos, quanto os que já estão no circuito. Esta unificação no país inteiro, acaba sendo bom pra todo mundo" - comentou Gilberto Rosa, presidente da Federação de Motociclismo do Paraná. A instituição reduziu de R$250,00 para R$200,00 a taxa para 2019.

"Como presidente da Federação Gaúcha de Motociclismo vejo uma grande oportunidade de nós fazermos juntos uma melhoria em prol dos pilotos. Deixamos de ter uma guerra fiscal de valores exorbitantes e extremamente baixos. Passamos a ter um padrão dentro desta nova política de valores praticados para as licenças de 2019. Isso deve movimentar muito mais licenças, trazendo os pilotos que não praticavam motociclismo devidamente licenciados e melhorando a qualidade do esporte. Foi um ganho que há mais de dois anos vínhamos tentando e finalmente conseguimos nesta assembleia" - comemorou Jair da Costa, presidente da FGM.

Desta forma, todos os pilotos que pretendem participar de qualquer competição em território nacional  que seja homologada pela Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM) precisará estar licenciado, sendo extinta a licença temporária, no qual era permitida apenas para a participação em provas esporádicas. Com a licença do piloto, o atleta fica apto em participar de competições como Rally dos Sertões, Campeonatos Brasileiros de Motocross, Motovelocidade, Hard Enduro, Super Enduro, Trial, Supermoto, Rally Cross Country e Rally Baja, Cross Country, Velocross, entre outras competições e provas chanceladas pela CBM.

"É um ganho muito grande ver esta união das federações para resgatar e fortalecer o motociclismo no Brasil. Tenho certeza que com mais este passo teremos bons resultados para o esporte." - apoiou Firmo Alves, presidente da CBM. 

Durante a reunião os presidentes decidiram manter a isenção da licença para as categorias de base, 50cc e 65cc, como forma de incentivar a participação de novos pilotos, que já tem revelado talentos. A medida foi aprovada desde 2017 e segue por mais um ano.

Outra novidade foi também a isenção para o Mototurismo. Porém, a licença nacional do piloto não dá direito ao motociclista com licença na modalidade de participar de competições regulares, como campeonatos brasileiros ou qualquer outra prova competitiva. O mototurismo visa promover encontros e realização de eventos entre os apaixonados por motocicletas.

 

 

As licenças para 2019 já estão disponíveis e também são válidas para o último trimestre de 2018. Para emitir a licença os pilotos podem acessar o site da CBM ou entrar em contato diretamente com a federação do estado na qual pretende se licenicar.

Voltar